Muito conhecido como o hormônio do amor, a ocitocina é produzida pelo hipotálamo, armazenada pelo neuro-hipófise e um dos nossos neurotransmissores – responsável por transmitir as mensagens do cérebro para outras áreas do corpo.

A produção da substância garante sensações muito conhecidas, como o afeto e o amor, além de melhorar o altruísmo e até mesmo nosso senso de honestidade. 

A ocitocina também é fundamental durante e após a gravidez. Quando a mamãe consegue liberar a ocitocina, o relacionamento com o bebê, a amamentação e a recuperação pós-parto melhoram – auxiliando a mulher nesta nova fase da vida. 

De acordo com dados do Ministério da Saúde, entre 2007 e 2016, houve um aumento de 37% no número de mamães após os 50 anos, registrando quase um parto por dia. Acompanhe todas as informações que o Laboratório Unidos separou para explicar qual é a importância da ocitocina no organismo.

Na hora do parto

O momento da gestação é sempre um dos mais esperados pelas mulheres. Ser mãe e acompanhar o crescimento da família é uma fase que vem acompanhada de muitas surpresas e emoções. 

Entretanto, a hora do parto deixa qualquer uma tensionada. Realizar todos os preparativos e aguardar, ansiosamente, pela chegada do bebê é uma tarefa difícil. A ocitocina pode ser uma grande aliada, já que o papel da substância é ajudar com as contrações do útero e a dilatação para contribuir com a saída da criança. 

Quando os níveis de ocitocina estão regulares no organismo feminino, o momento do parto pode ser mais fácil e sem tantos desconfortos. Manter um ambiente calmo e tranquilo também contribui com a produção e liberação do hormônio na corrente sanguínea da mulher.

Enquanto as mamães produzem a ocitocina momentos antes do parto, a substância já é levada para o pequeno por meio do cordão umbilical. O hormônio contribui com a sensação de reconhecimento, conexão e bem-estar que mamãe e bebê sentem. O amor entre eles já começa a aparecer desde antes do primeiro olhar. 

No pós-parto a ocitocina continua trabalhando, contraindo o útero e diminuindo as chances de hemorragia. Aquele colo quentinho que só as mães conseguem oferecer também é produzido pela substância.

Amamentação

Se durante o parto o hormônio do amor já foi um dos responsáveis por contribuir com a chegada do bebê, na amamentação a ocitocina é ainda mais importante. Quando a criança suga o seio, ocorrem impulsos elétricos que são direcionados ao cérebro, contribuindo com a produção e disparo da ocitocina na corrente sanguínea.

É por conta desta liberação que o leite chega ao bebê e a mãe pode aproveitar aquela sensação de descanso e bem-estar enquanto amamenta. Este momento é tão importante para ambos que algumas mamães chegam a dormir enquanto o bebê se alimenta. A produção de ocitocina, neste caso, também pode ser acionada pela visão ou olfato. 

Saúde da mãe e do bebê

Uma pesquisa realizada em 2018 comprovou que a liberação da ocitocina durante a amamentação pode auxiliar na redução da ansiedade e na produção de cortisol – principal causador do estresse. O estudo foi realizado na Alemanha.

Quando as mamães estão produzindo a substância, ficam mais tranquilas e relaxadas, além de ficarem mais dispostas e preparadas para o convívio social. 

O bebê ganha no amor. Quanto mais ocitocina a mãe liberar, mais amor ele vai receber e mais forte será a relação entre os dois – relacionamento que começou quando a criança ainda estava no ventre. 

Convívio social 

Nesta onda de amor até os papais podem ser beneficiados. Quando o homem acompanha todas as fases da gestação, a produção da ocitocina colabora para o desenvolvimento de habilidades fundamentais para cuidar do bebê. A afinidade e a intimidade nesta relação vão aumentando, garantindo ótimos momentos entre pai e filho. 

No nosso dia a dia o hormônio do amor também desempenha o seu papel. Nosso lado humano é ativado graças a substância. Quando nos colocamos no lugar do outro e realizamos ações altruístas, a ocitocina está presente em nossa corrente sanguínea. 

Se você está precisando realizar um exame para acompanhar como está a produção da ocitocina, o Laboratório Unidos pode te ajudar. Contamos com nove unidades distribuídas em Florianópolis e região – ilha, continente, São José e Palhoça. Entre em contato e agende um horário. Será um prazer atender você.