A tireoide, também conhecida como tiróide, é uma glândula em formato de borboleta – com dois lobos – localizada na parte anterior do pescoço, abaixo da região conhecida como gogó.

A tireoide é responsável pela produção dos hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina), substâncias que controlam como as células do corpo gastam energia. Este processo é chamado de metabolismo. A glândula também atua junto aos processos metabólicos, além de contribuir com o funcionamento do cérebro, coração, rins e fígado. 

De acordo com uma pesquisa encomendada pela farmacêutica Sanofi, 34% dos brasileiros que sofrem com a produção irregular da tireoide não realizam nenhum tratamento. Os números também comprovam que 4,7 milhões de pessoas possuem o problema, mas ainda não detectaram – todos acima dos 35 anos. Acompanhe o conteúdo do Unidos e conheça a importância desta substância no organismo.

Qual é a função da tireoide?

A fase do crescimento, desenvolvimento, a regulação do período hormonal, peso, memória, concentração e humor são fatores que dependem do bom funcionamento da tireoide.

A produção de T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina) são controladas pela hipófise – glândula cerebral. Quando a tireoide começa a produzir poucos hormônios, a hipófise começa a expelir o TSH (substância estimulante da tireoide). Esta ação faz com que a glândula aumente a produção de T3 e T4.

Hipertireoidismo ou hipotireoidismo. Qual é a diferença?

A produção irregular dos hormônios da tireoide pode ocasionar o surgimento de dois problemas: o hipertireoidismo ou hipotireoidismo. Os problemas podem surgir em qualquer fase da vida, em homens e mulheres. 

Hiper – O hipertireoidismo acontece quando a produção está acelerada. O coração bate mais rápido, o intestino trabalha com agilidade e nosso corpo parece estar atuando em uma velocidade que não é considerada normal. Sensação de energia sobrando e agitação são algumas das características. 

Hipotireoidismo – Neste caso, ocorre o oposto. O corpo fica lento, as funções desempenhadas ficam mais lentas e, às vezes, parece que tudo vai parar. Crescimento comprometido, perda de memória e ganho de peso são alguns fatores que podem indicar o problema. Com a produção baixa, o corpo fica emitindo sinais de que o indivíduo precisa parar – os hormônios não são suficientes para continuar a rotina. 

Exames que detectam o problema 

Alguns exames podem contribuir na hora de detectar os problemas. Após a conversa com o médico, o especialista será responsável por indicar qual é o melhor procedimento – levando em conta os possíveis sintomas e o que deve ser avaliado. Acompanhe os exames mais conhecidos de acordo com a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM):

  • TSH: é o principal exame para detectar a presença do hiper ou hipotireoidismo. Os valores adequados podem variar de acordo com a idade e sexo, além dos fatores externos como gravidez ou anemia. O exame é feito por meio da coleta de sangue; 
  • T4 livre: também ajuda a diagnosticar os problemas causados pela irregularidade na produção da glândula. Antes de realizar o procedimento, é importante perguntar ao médico se é preciso pausar o uso dos medicamentos contínuos – algumas substâncias podem alterar o valor real. O exame é feito por meio da coleta de sangue;
  • T3 total/livre: este exame é indicado apenas nos casos em que existem suspeitas de hipertireoidismo e o procedimento também é feito por meio da coleta de sangue. Pergunte ao médico quais são as orientações que devem ser seguidas antes. 

Dependendo do caso, o médico pode solicitar que o paciente realize mais de um exame – tudo depende das suspeitas e análise do especialista. Em casos mais graves, o profissional também pode solicitar procedimentos para detectar o índice de outras substâncias além da tireoide ou exames de imagem como ultrassonografia.

Dicas para uma melhor qualidade de vida

Como em todos os problemas de saúde, a qualidade de vida é sempre uma aliada no cuidado com nosso corpo. Manter uma boa alimentação, consumir produtos naturais e praticar exercícios com regularidade são fatores primordiais para garantir uma boa saúde.

Manter as visitas frequentes ao médico e os exames em dia também são dicas importantes para controlar a produção da tireoide.

Procure ajuda médica 

Se você está sentindo algum dos sintomas, procure um médico. O especialista será responsável por planejar a melhor forma de diagnóstico e tratamento. É ele também que deverá analisar os resultados dos exames. 

Se você está precisando realizar um exame para acompanhar como está a saúde da tireoide, o Laboratório Unidos pode te ajudar. Contamos com nove unidades, sempre perto de você. Faça um orçamento.